Pages

11 de outubro de 2014

Cinomose - A Doença Maldita


Olá, meu caro leitor. O post de hoje é um assunto sério. Irei relatar para você um pouco da minha história com as minhas duas cachorrinhas, a Zumba e a Princesa.

Há mais ou menos um mês e meio atrás, minha cachorrinha de agora, 3 meses Princesa foi diagnosticada com Cinomose. Ela chorava muito, tinha espasmos na patinha, secreção ocular e nasal. Achamos estranho então a levamos ao veterinário. Sempre tive cachorro em casa, desde pequena, mas nunca havia ouvido falar dessa doença. Não entrarei em muitos detalhes, porque sou leiga no assunto, mas resumindo: a cinomose é uma doença canina, um vírus, que não é transmitido para os seres humanos. É altamente contagiosa, atinge principalmente o sistema nervoso do animal e o pior de tudo é que ela não tem cura.

Mesmo sendo uma doença terrível, e que na maioria das vezes os veterinários aconselham o sacrifício, nosso veterinário nos aconselhou a não sacrificar, até porque a Princesa estava comendo, e tirando um pouquinho de catarro nos pulmões, seu sistema estava ótimo. A eutanásia canina só deve ser feita se a doença tiver tomado o animal por completo. Começamos o tratamento com Duotril - para combater infecções e o Citoneurim - para tratar os nervos e auxiliar o sistema imunológico.

Foram 2 meses de muito choro alto, espasmos musculares fortíssimos e alimentação através de seringa. Ela tomava os remédios nos horários certos, tinha uma alimentação rica em frutas, legumes, arroz, carnes, frango, ração ás vezes, sucos e yogurte. Princesa foi muito forte, e graças ao nosso cuidado, amor e esperança nela, hoje a Princesa está curada da doença! Ela continua com os espasmos, mas já está acostumada a eles, e o veterinário nos garantiu que com os anos eles somem.


Mas como desgraça pouca é bobagem, descobrimos que mesmo com todo o nosso cuidado para desinfectar a casa, objetos e a nós mesmos, a Zumba também foi infectada por essa doença maldita! Saí do consultório veterinário aos prantos e com muito medo. Ao contrário da Princesa que sempre apresentou uma melhora, mesmo com o risco da doença, Zumba era muito fraquinha. Como ela piorou muito em pouco tempo, meu maior temor era que chegasse ao ponto de termos que sacrificar.

Antes da Doença.

Antes da Doença

Começamos o tratamento dela imediatamente, na primeira semana com Dexalgen e Duotril, depois com o Citoneurim. Em menos de duas semana, a Zumba passou de uma cachorrinha ativa, brigona, comilona e vivaz, a uma filhote que não anda, usa fralda e precisa de mim para comer e beber. Apesar de seu estado ter me deixado muito triste, uma coisa me mantém firme em seu tratamento. O olhar da Zumba. O olhar vivo e feroz que me diz sem palavras: mamãe eu vou melhorar, tenha fé em mim! E é isso que me faz seguir firme e forte por ela.


Como eu disse lá em cima, a cinomose não tem cura. O cachorro cura-se sozinho, ou infelizmente, devido as doenças causadas pelo sistema imunológico fraco, ele morre. O cuidado e os remédios ajudam a combater o vírus e a tratar as sequelas.

O vírus é transmitido por qualquer secreção de um animal infectado: saliva, olhos escorrendo e etc. Também pode estar no pelo do animal, e até nós donos, podemos carregar o vírus na sola do sapato. Como não tem cura, a cinomese deve ser prevenida com a vacinação, que deve estar sempre em dia.

Continuarei com o tratamento da Zumba e tenho fé na força da minha bebezinha, e ela irá se curar. Se o seu animalzinho também está com cinomose, não se desespere. O tratamento é árduo e ás vezes pensamos que o melhor para o animal e para nós é terminar com todo o sofrimento dele. Mas pense que o seu bichinho lutaria por você até o fim. Faça o mesmo por ele.


A cinomose é uma doença difícil, mas não podemos nos deixar consumir por ela. Sempre que estou com a Zumba, eu canto, danço, brinco com ela, o máximo que sua imobilidade permite. Tento passar para ela alegria, quero que ela sinta que está tudo bem. Quanto mais energia positiva passarmos para o bichinho, melhor será sua recuperação. Dedique um tempo ao seu bichinho. Só para ficar com ele no colo, fazendo carinho. Deixo-o sabe o quanto você o ama.

E claro, tenha tempo para você. Essa maldita doença consome o animal e o dono. Por mais triste que seja, não deixe se abater. Tenha tempo com sua família, faça seus hobbies costumeiros. Continuo levando minha vida normal. Dedico a Zumba seu tempo, e reveso com minha mãe para cuidar da Princesa, e dos outros cachorros do quintal.

Se você está enfrentando este mesmo problema, tenha fé no seu bichinho, dê a ele muito amor e boa sorte com o tratamento. Fiz este post para desabafar sobre a Zumba, e com a cura da Princesa incentivar a vários donos que enfrentam o mesmo problema. Qualquer novidade sobre remédios, irei postar aqui no blog para ajudar a quem está com o pet debilitado por essa doença maldita.

 Boa sorte, até a próxima 
e beijos da Kim!


 renata massa